Gastrite nervosa – O que é, Sintomas e Remédios mais recomendados

A gastrite nervosa é uma doença caracterizada por sintomas semelhantes aos da gastrite tradicional, mas sua causa é diferente. Enquanto esta é causada por uma inflamação no estômago, a nervosa por sua vez, é ocasionada pela mesma situação: a inflamação das paredes estomacais por influência ou não da bactéria Helicobacter pylori. A diferença, é que a nervosa é mais influenciada pelos fatores psico-sociais.

O diagnóstico geralmente é feito baseado na análise dos sintomas e uso de alguns exames como a endoscopia para analisar se não há outros problemas ou danos na parede estomacal.

Sintomas da gastrite nervosa

Os sintomas da gastrite e da gastrite nervosa são, basicamente, os mesmos. Entre eles, estão:

  • Dor de estômago aguda;
  • Azia;
  • Dificuldade de digestão;
  • Arrotos frequentes;
  • Dores abdominais;
  • Inchaço abdominal;
  • Sensação de saciedade, mesmo tendo comido pouco;
  • Mal-estar;
  • Perda de apetite.

A gastrite nervosa também pode provocar a perda de peso, como consequência de alguns de seus sintomas, por exemplo, perda de apetite e vômitos. É importante lembrar que essa perda não é saudável, por isso, é preciso tratar o problema.

Causas

A gastrite nervosa é causada por questões emocionais ou psicológicas, como estresse, ansiedade ou situações de nervosismo excessivo. Quando se passa por problemas relacionados ao emocional, o organismo acaba produzindo uma quantidade maior de ácidos estomacais, provocando o problema. É por isso que os sintomas são muito semelhantes, mesmo causas diferentes.

Pessoas diagnosticadas com transtornos de ansiedade, possuem hipertensão ou depressão são mais propensas ao desenvolvimento da doença.

Tratamentos para gastrite nervosa

Existem diferentes tratamentos para a gastrite nervosa, que vão desde medicamentos antiácidos até tratamentos psicológicos. Os antiácidos são muito eficientes, pois eles diminuem a produção de ácidos no estômago, equilibrando a acidez e aliviando os sintomas. É importante que a medicação e a forma de uso sejam sempre indicadas pelo médico.

Porém, o uso de remédios vai apenas tratar a doença momentaneamente. Se as questões emocionais que estão causando o problema não forem tratadas, as chances da gastrite nervosa tornar-se recorrente são muito grandes. Por isso, é fundamental procurar a ajuda de um psicólogo, para tratar o estresse e a ansiedade, ou realizar atividades que lhe proporcionem relaxamento e bem-estar.

Ainda, existem algumas opções de terapia alternativa, que podem ser usadas juntamente com os tratamentos médico e psicológico. Entre elas estão a meditação e os chás calmantes, que podem ajudar a manter o emocional equilibrado.

Remédios mais recomendados:

  • Omeprazol;
  • Hidróxido de magnésio;
  • Hidróxido de alumínio;
  • Ranitidina;
  • Cimetidina.

Alimentos que devem ser evitados

Mesmo a causa da gastrite nervosa não estar diretamente ligada à alimentação, é importante cortar alguns alimentos e incluir outros em seu cardápio diário. Dessa forma, o tratamento da doença será mais rápido e eficiente.

Evite alimentos muito gordurosos ou de difícil digestão, além daqueles muito ácidos e outros, como:

  • Carne vermelha (especialmente as mais gordurosas, como linguiça e bacon);
  • Alimentos embutidos (salsicha, presuntoetc);
  • Frutas cítricas (laranja, limão, abacaxi, kiwietc);
  • Fritura;
  • Pimenta;
  • Cafeína (café, refrigerante, chocolateetc);
  • Bebidas alcoólicas;
  • Temperos e molhos industrializados.

Além disso, evite o consumo de líquidos durante as refeições e não fique mais que três horas sem comer. Por fim, inclua em sua alimentação os alimentos que possuem efeito calmante e que vão ajudar o seu estômago a recuperar-se. Entre eles estão as frutas de baixa acidez, as carnes magras e os temperos naturais. Ainda, beber muita água (fora do horário das refeições) é fundamental para o bom funcionamento do organismo.

Para compreender melhor sobre as diferenças entre a gastrite nervosa e a comum confira também o conteúdo sobre gastrite: causas e tratamentos. 

Referências

SOCIEDADE DE PATOLOGIA DO TOCANTIS. O mito da gastrite nervosa. Disponível em <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/patologia/article/view/3363/9556> 2017